Região Metropolitana de Belo Horizonte

REGIÃO E COLAR METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE
Sistema Principais Mananciais Sedes Urbanas Atendidas
Paraopeba Rio Manso Serra Azul Vargem das Flores Belo Horizonte; Betim; Contagem; Esmeraldas; Ibirité; Igaraté; Juatuba; Mário Campos; Mateus Leme; Pedro Leopoldo; Ribeirão das Neves; Santa Luzia; São Joaquim da Bicas; Sarzedo; Vespasiano
Rio das Velhas Rio das Velhas Belo Horizonte; Nova Lima; Raposos; Sabará; Santa Luzia
Catarina Córrego Catarina Belo Horizonte; Brumadinho
Ibirité Bálsamo, Rola Moça e Tabões Belo Horizonte; Ibirité
Morro Redondo Cercadinho, Fechos e Mutuca Belo Horizonte; Nova Lima
Sistemas Isolados Mananciais Superficiais / Mistos Barão de Cocais; Belo Vale; Bonfim; Caeté; Florestal; Itabirito; Itaguara; Itatiaiuçu; Jaboticatubas; Moeda; Nova União; Pará de Minas; Rio Acima; Santa Bárbara; São José da Varginha; Taquaraçu de Minas
Poços Baldim; Capim Branco; Confins; Fortuna de Minas; Funilândia; Inhaúma; Lagoa Santa; Matozinhos; Prudente de Morais; Rio Manso; São José da Lapa; Sete Lagoas

Total Abastecimento de Água*
Municípios da RM 34
Municípios que necessitam de investimentos 4
R$ milhões 10
* Os investimentos referem-se ao sistema de produção de água

A RM Belo Horizonte é composta por 34 municípios e concentra 28,7% da população do Estado.

Na RMBH destacam-se os sistemas integrados Paraopeba e Rio das Velhas. O sistema Paraopeba resulta da reunião de 3 sistemas produtores, com captações nas barragens dos rios Vargem das Flores, Serra Azul e Manso, cujas estações de tratamento possuem capacidade nominal entre 1,5 e 4,2 m³/s. O sistema Rio das Velhas, que é o principal manancial da cidade de Belo Horizonte, possui ETA com capacidade de 9,0 m³/s.
Os mananciais que abastecem a RMBH possuem disponibilidade hídrica suficiente para o atendimento das demandas futuras, com destaque para o rio das Velhas e os afluentes do rio Paraopeba. Entretanto, uma série de adequações aos sistemas produtores são necessárias para conferir maior flexibilidade operacional, otimizar o abastecimento e garantir o atendimento à população.

Nesse sentido, a COPASA realizou recentemente algumas obras de ampliação que devem entrar em operação até meados de 2011, com destaque para a ampliação da ETA e a implantação da quarta adutora de água tratada do sistema Rio das Velhas e as adutoras de interligação do sistema Paraopeba com o sistema Rio das Velhas (Linha Azul), possibilitando a transferência entre sistemas da ordem de 2 m³/s. Para efeito de planejamento, essas ações foram consideradas como existentes e seus custos não foram contabilizados no total do Estado. Em uma futura etapa, está também prevista a ampliação do Sistema Produtor do Rio Manso.

Para os sistemas isolados de Baldim, Itaguara, Jaboticatubas e Rio Acima, são propostas obras de ampliação que totalizam investimentos da ordem de R$ 10,2 milhões.
Copyright ANA - Agência Nacional de Águas, 2010